Você quer mudança? E você está disposto a mudar?

POSTADO POR thiago 29, setembro, 2020
Comportamento

Essa semana ouvi mais um executivo lamentar que tem ficado mais tempo em videoconferências, lives e digital meetings. Está trabalhando muito mais do que antes. (detalhe – antes ele já dizia que não tinha tempo pra nada. Então como está trabalhando mais, se já não tinha tempo?! Até onde sei, o tempo é inelástico.)

Não sabe o que fazer com a filha de 5 anos que está em homeschooling (nome gourmet pra dizer que a escola está fechada e a filha está tendo que aprender pela internet).

Obviamente a criança ainda não tem autonomia suficiente para aprender sozinha e precisa do apoio do pai desde se conectar até interpretar e executar as tarefas, que até então eram dele(ar)gadas à professora.

A garotinha abre a porta do home office do papai (que deveria se chamar ‘bunker’) para pedir apoio E atenção. Imediatamente o executivo diz no seu modo mais automático – “Já te falei que estou trabalhando, agora não posso”.

Detalhe – pré pandemia ele já fez aqueles retiros sabáticos, cursos de autoajuda, MBA em uma instituição galática, coaching, terapia, acupuntura, aula de tênis, etc e etc. Já escreveu dezenas de vezes que a coisa mais importante na sua vida é a família. Será? Já que é tão orientado ao resultado, tão pragmático, eu faço um convite para fazer um cálculo % do tempo investido com sua filha ao longo da semana.

“Mas Rogério, é muito fácil dizer, vem aqui pagar minhas contas”.

De fácil, esse cenário não tem nada. Me peguei dentro dessa situação anos atrás e por isso me motivei a escrever esse texto.

Você leu o acima, se identificou e se incomodou. E agora está dizendo – ‘é isso mesmo consultor, vem aqui resolver com sua varinha de consultoria’. Bom, se você está incomodado(a), lhe convido a continuar lendo. Se não estiver, talvez já tenha superado essas questões que frequentemente nos desafiam no ambiente de trabalho.

Para você que continua daqui em diante, vamos lá! Quero reforçar que sou totalmente empático ao seu cenário e confesso que já cometi muitos erros prejudicando a mim e à minha família. Na época não conseguia ver com clareza e tampouco admitir.

Em 2008 tomei uma decisão arrojada. Abri mão da minha carreira em uma multinacional europeia e me dediquei ao negócio de consultoria, pensando que estaria livre de todas as minhas amarras. Precisei de poucos meses para perceber que tinha me livrado de um chefe e ganhado vários simultaneamente.

Transformei minha vida, das pessoas que trabalhavam comigo e da minha família em outro estresse. Tudo em nome da eficiência, alavancagem do negócio e melhorias das margens. Afinal eu já havia sido um ‘executivo de sucesso’ e agora tinha que ser um ‘empresário de sucesso’.

Resumindo, não estou jogando pedras. Apenas estou lhe provocando, como gostaria de ter sido provocado.

Estudando Neuroliderança (neurociência aplicada aos comportamentos de liderança) comecei a encontrar respostas diferentes. Mais do que isso, passei a me fazer perguntas diferentes. Veja bem, não são verdades absolutas, mas são diferentes daquelas às quais fomos condicionados e mal percebemos que estávamos num labirinto sem aparente saída.

O cérebro ‘vem instalado’ com duas emoções básicas – medo e prazer.

O medo é para garantir a sobrevivência. (1) Na dúvida, foge ou ataca. É por isso que a maioria já parou de ler o texto e nem chegou até aqui. É por isso que aquele executivo pediu pra filha sair do quarto. Ele não tem consciência, mas está com medo. Medo sobre o que seus colegas de trabalho irão pensar se ele sair da reunião para atender a filha. Medo de perder o controle do time – “e se todos resolverem dar atenção aos seus filhos no meio da chamada virtual?”

No fundo vivemos com medos.

Trata-se de uma questão biológica- temos medo de mudar! Não pela mudança em si, mas temos medo de não conseguirmos nos adaptar à mudança.

Por isso é que queremos fazer um home office, no mesmo formato em que estávamos no “office office”. Lá não havia garotinhos pedindo ajuda, cachorro latindo, vizinho fazendo reforma, almoço para preparar.

Queremos soluções para novas questões, mas não queremos mudar!

Vou fazer uma ponderação. Atenção: é apenas uma ponderação! Não é receita! Há casos e casos.

No nosso negócio fomos pegos de surpresa, como a grande maioria. Tem gente no nosso time com filhos pequenos, que mal conseguem entender o que está acontecendo. O(a) cônjuge tem chefe como nosso amigo executivo acima. Por isso morre de medo da filha mostrar a cara na telinha. Vai levar um “X” nas costas. Sair da ‘call’ para acudir a filha?! Nem pensar!

Por isso, naturalmente, nosso cotidiano foi se ajustando com às demandas emergentes.

  1. Nossos filhos são prioridades. Se não dá pra resolver agora, daremos um jeito para resolver no prazo que o cliente precisa. Somos responsáveis e confiamos uns nos outrose isso basta!
  2. Todos os prazos de processos internos são negociáveis. Se não afeta diretamente ao cliente, negociamos. Abaixo a vaidade e ego defendendo posições burocráticas. Ofoco é no propósito, não na tarefa!
  3. Permitimos a família na ‘call’. Cinco minutos curtindo eles não vai mudar em nada nossa agenda. Pelo contrário, nos deixará mais serenos e mais humanos. Há estudos comprovando que o stress ‘emburrece’ (2). As crianças serenas nos deixarão mais serenos.

Flexibilidade total na agenda. Se você prefere trabalhar a noite, pois as crianças estão dormindo, estamos mutuamente disponíveis uns para os outros, pois somos empáticos pelas situações individuais. Não é momento para regras rígidas!

 Será que não é chegada a hora de nos vulnerabilizarmos um pouco (3)?

É preciso ter consciência (4)e coragem para querer mudar!

Revisitemos nossos propósitos. Questionemo-nos – “para quê?”. Confiemos mais – a confiança é a pressuposição da intenção positiva do outro (5). Incentivemos a colaboração, com propósito + confiança + regras simples.(6)

 “Rogério, isso é tudo muito Poliana”.

Não – isso é neuroliderança.

Tente – é libertador!!!

Rogerio Babler

 

Rogério Babler

Pai do Matheus, marido da Katia

Sócio e Diretor Geral da mhconsult

Sócio do Instituto de Neuroliderança

 

Fontes:

(1);(2); (4); (5)  Instituto de Neuroliderança – Carlos Diz

(3) O Poder da Vulnerabilidade – Brené Brown

(6)   Co.Experience – mhconsult

 

TAGS
Linkedin Facebook Twitter Instagram WhatsApp E-mail

Postado por thiago

thiago.

Você pode gostar destes posts

POSTE UM COMENTÁRIO

Nenhum Comentário